domingo, 31 de maio de 2009

Uma viagem, um destino e a redescoberta de duas cidades...

Viajei a Sampa no último feriado do dia do trabalhador!

Uma viagem que queríamos fazer a tempos... Nada mirabolante, mas nunca criávamos oportunidade!

Enfim decretamos: vamos aproveitar o feriado (oportunidade perfeita), vamos de ônibus (assim não tem a desculpa da falta de grana para as passagens), vamos nos hospedar em um hotel econômico e bem localizado e vamos elaborar um roteiro bem feito para otimizar o tempo!

A idéia de ir a Sampa era conhecer alguns lugares específicos - Museu da Lingua Portuguesa e Museu do Futebol - por curiosidade e também por ser fonte de pesquisa para o marido lindo e cenógrafo. E também conhecer tantos outros pontos, como o Mercado Municipal, o Bairro Liberdade, o centro antigo... além de rever lugares que sempre valem a pena, como o Masp, as enormes livrarias e muito mais!

Enfim, o que não falta é coisa para fazer em São Paulo! Por coincidência e para completar era o fim de semana da Virada Cultural, por isso a cidade que "não pode parar" estava a mil!
Com tanta coisa para fazer em tão pouco tempo era preciso fazer um planejamento muito bom! Foi aí que a vida de blogueira ajudou: lembrei da Denise, do Blog da Macacada! Acompanho o blog dela há mais de 1 ano, é uma delícia de ler e ela mora em SP. Lembrei que ela tinha postado um roteiro de turismo na própria cidade para fazer com a filhota dela! Encontrei os posts, li tudo e não satisfeita ainda pedi ajuda e dicas por email! E a Dê teve a maior paciência e boa vontade comigo! Muito obrigada, querida!

E assim fomos! Felizes da vida com muita disposição!

E foi assim:
Sexta-feira, 01 de maio, feriado:
Chegamos na rodoviária umas 6 da madruga! Pegamos a fila para comprar tiket do metrô (ah! sim porque lá ele funciona, só que todo turista chega sem nenhum tiketzinho e a fila é enorme!)!

Deixamos a mala no hotel, na Rua da Consolação quase esquina com Av. Paulista! Também lá tomamos um bom café da manhã. Estas são algumas das vantagens de um hotel econômico (não simplesmente barato!): o check-in e check-out só podem ser feitos ao meio dia, mas antes ou depois deste horário você pode guardar as bagagens no guarda-volumes (pagando um valor justo, mais barato que o guarda-volumes da rodoviária), pode comprar o ticket do café e comprar água, suco, chocolates e sanduíches na lojinha do lobby. Assim a gente economiza na diária, mas não fica na mão!

Do hotel fomos direto para o centro: Estação da Sé! Conhecemos a Catedral (a missa solene - com a presença do Bispo e da Pastoral do trabalhador, com direito a manifestantes do PT, sindicatos, PSTU e moradores de rua - estava justamente começando!), o Marco Zero e o Largo São Francisco e começamos nossas andanças pelo centro!

De lá fomos andando até o Mosteiro de São Bento e o Pátio do Collegio! Ambos estavam fechados e só pudemos ver pelo exterior... uma pena!

Como estava muito cedo, as ruas desertas e o comércio ainda fechado o "clima" não estava muito legal... mas foi o único momento em que ficamos um pouco inseguros.

Continuamos andando até a Torre do Banespa (também fechada!), o Viaduto do Chá, o Vale do Anhangabaú, a igreja de Santa Efigênia e dá-lhe pernas! Uma delícia!

Depois de metrô fomos até a av. Paulista matamos um tempo na enorme Livraria Cultura! (Lá eu comprei o livro "Por que Heloísa?", da também blogueira Cristiana Soares. O livro não tem nada a ver com esta viagem, mas ele é tão legal que eu não podia deixar de falar!)

Voltamos ao hotel, tomamos um belo banho e fomos almoçar.

Escolhemos o restaurante "Sujinho" na própria rua da Consolação! Pareceu ser um daqueles restaurantes tradicionais e populares ao mesmo tempo! Pedimos o que parecia ser um dos pratos da casa, pelo que número de vezes que vimos os garçons levando até as mesas vizinhas: filé a cubana! Muito bom! Light que só vendo: tudo a milanesa - frango, palmito, banana, couve-flor, abacaxi, batata, brócolis! Pra 'piorar' um pedação de bacon!

De lá fomos à pé (coitada das pernas...) até o Estádio do Pacaembu, visitar o Museu do Futebol (site). Adorei! Fui sem grandes expectativas, mas achei BEM legal! O museu agrada a público de todas as idades, das crianças aos nossos avós que não cansam de se lembrar da Copa de 1950! E o museu é dinâmico e variado: para quem gosta de ler, ele tem muita informação escrita; para quem gosta de imagens, ele tem muitas fotos, muitos videos e até um filminho com efeito 3D; para quem gosta de tecnologia e interatividade, ele tem até campinho com bola virtual!

O museu foi instalado literalmente embaixo das arquibancadas, portanto a estrutura de concreto fica aparente!

Isto não me incomodou em nada, pelo contrário, achei até legal e o que eu mais gostei foi um local, bem na base, onde acontece, entre a terra e os pilares, umas projeções de imagens, com som, das torcidas durantes alguns jogos! Dá para sentir a vibração da torcida! Para finalizar, de quebra, a gente ainda conhece o estádio!

Voltamos também a pé para o hotel! E fomos jantar esfirras no Habib´s! Ufa!

Sábado, 02 de maio:

Logo depois do café, pegamos o metrô com destino ao Mercado Municipal, estação São Bento! Só que a ficha ainda não tinha caído: Estação São Bento, saída pela ladeira Porto Geral é justamente a entrada para a famosa "25 de março", rua de comércio popular e 'trocentos' camelôs, lá chamados também de toureiros! Na ida para o mercado já estava meio confuso, mas a volta foi inacreditável! Que multidão! Que confusão! Bom... mas o Mercado realmente vale a pena! O prédio é lindo e muito bem conservado (pena a sujeira do lado de fora!)! A bancas são grandes e os corredores bem largos, bem diferente do nosso Mercado Central de BH! O mix de produtos é bem variado, mas não tanto quanto o daqui. Lá o forte são os produtos alimentícios, de frutas e verduras, passando pelos queijos e linguiças, a temperos e peixes! Muito bacalhau e muito mais peixes e mariscos do que sonhamos encontrar aqui! Por outro lado, lá não tem muito artesanato, coisas para casa (panelas, tabuleiros, copos, etc) e nem os bichos! Em compensação tem os famosos Pastel de Bacalhau e Sanduiche de Mortadela!



Do mercado fomos para a Estação da Luz, para visitar o Museu da Língua Portuguesa! Para este sim eu tinha muita expectativa: a mídia já tinha exposto bastante suas qualidades extraordinárias! Realmente o museu é muito legal, mas eu acabei me decepcionando um pouco... Em parte porque ele estava 'apenas' com a exposição permanente, ou seja um andar inteiro, o da exposição temporária, estava fechado. Também me incomodou o tanto que o lugar estava cheio, o que fez com que a visita fosse mais rápida e menos aprofundada do que eu esperava! Ainda assim eu recomendo para todos e pretendo voltar!
No embalo, aproveitamos e passamos na Pinacoteca, que por causa da Virada Cultural estava com a entrada gratuita! Eu já conhecia o edifício por fotos do marido... Mas eu tinha certeza que eu ia gostar mais ainda ao vivo! A edificação por si só já vale a pena... E ainda tinha uma exposição de fotografias fantástica!


E o sábado rendeu...
Voltamos para o centro. Andamos e passeamos! Fomos a alguns sebos e depois ao Centro Cultural Banco do Brasil, onde estava acontecendo a exposição "Era uma vez: arte conta histórias do mundo"! A construção é bem legal e a exposição também era, mas o que eu mais gostei, confesso, foi de conhecer a Dê e sua família! Só não aguentei foi ficar muito por lá, poi já estávamos exaustos! A Dê ficou lá, no meio da criançada, para uma sessão de contação de estória que prometia!
Saindo de lá ainda conseguimos ir ao Páteo do Collegio, que desta vez estava aberto! E ainda tivemos a alegria de encontrar o Padre Contieri, um amigo querido da nossa família!

Antes de voltarmos ao hotel ainda visitamos o Centro Itaú Cultural, na Paulista!

Para fechar o dia com chave de ouro resolvemos jantar no tradicionalíssimo Restaurante Famiglia Mancini, no Bela Vista, na Rua Avanhandava! E simplesmente não é possível explicar o sabor daquele jantar! Sem contar a ambientação, carregada, over e sensacional! Não é barato, pelo contrário, mas vale a pena!
Olha aí nosso fettuccine a putanesca!

Domingo, 03 de maio:

Logo cedo fomos para o Bairro da Liberdade! Confesso que ele me surprendeu: esperava um lugar um pouco mais tranquilo e com ruas e calçadas mais largas, menos camelôs... Mas nos divertimos muito! Tanto passeando pela feirinha e pelas ruas, como nos mercados com comidas e ingredientes orientais e nas lojinhas com milhões de produtos importados!

Aproveitamos o embalo e almoçamos sushi! Muito bom! E descobrimos os picolés coreanos, especialmente o Melona, verdadeira febre por lá! Uma delícia! (Sorte que ele chegou a BH, logo depois da nossa volta!)


Voltamos para a Av. Paulista e visitamos o Masp, que estava com uma exposição do Vick Muniz, muito boa!

Resolvemos então conhecer a famosa rua Oscar Freire, rua de lojas chiques e carrésimas! O legal é que mesmo sendo domingo de tarde algumas poucas lojas estavam abertas (não que nós tenhamos entrado!) e outras tantas tem a vitrine à mostra, ou seja, não são protegidas por portas de aço, por isso é um passeio legal, mesmo sem nenhuma intenção de comprar! (Não tão legal assim é fazer tudo isso à pé, da Paulista até lá, ida e volta, mas isso já é outra história!)

Antes de voltarmos ao Hotel ainda voltamos na livraria cultura, mais especificamente, no Café Viena da livraria, onde fizemos um bom lanche!

E assim terminamos nossa viagem a São Paulo! Bem, na verdade não apenas assim... Voltei refletindo muito sobre a 'minha' cidade... Certamente BH não tem toda a efervescência de São Paulo, nem de longe, lógico! Mas quando eu já me propus a ser turista na minha própria cidade? Não seria legal tentar redescobri-la e explorá-la mais? Acho que sim e é o que eu pretendo tentar... Assim que eu conseguir colocar algo do tipo em prática eu volto para contar!

12 comentários:

Naninha disse...

Ai amo Sampa de paixão!
Beijos

disse...

Eu quero ver as fotos! Flavinha, adorei te conhecer e ouvir sua voz. Espero que numa próxima vocês estejam com bastante tempo. Aí a gente marca um programa mesmo juntos. Bjão

chrises disse...

Flavinha, que programaçao rica e bem encaixadinha! Parabens pelo planejamento. Só faltou vir visitar a gente! ;-)

Cristiana Soares disse...

flavinha, muito, muito, obrigada pelo seu comentário lá no "por que heloísa?". vc me deixou contente ;)

da próxima vez que vier a sampa entre em contato comigo antes para que possamos nos conhecer pessoalmente, ok?

um grande beijo

cris

Cris disse...

Oi Flavinha! Wow, nem eu que moro pertinho já fiz tanta coisa em São Paulo, que delícia de passeio! Sabe que sou apaixonada por BH e já morei aí um tempo, temos até parentes aí. Mas esta sensação que você descreve com seu olhar de turista é sensacional. Dias atrás passei no Sujinho, mas eles não aceitam cartão e eu não pude ficar... queria ter experimentado a famosa bisteca deles. Querida, na próxima vez me chama para curtir São Paulo com vocês. Beijos!

"Manjares da Manu" disse...

Que bom que vc voltou,estava sentindo sua falta!!!
E que passeio bom!!!Fiquei com vontade de comer o pastel!!!
Obrigado por sua visita, lá no meu cantinho!!!!
BJs....

Nana disse...

Flá, tudo bem, tudo bem, estava na correria mas me avisa mulher!
Você estava colada no meu cafofo e nem fui conhece-la?!
Isso não pode acontecer mais, se for ficar na Consolação novamente, me avisa hahaha
Adorei todos os seus passeios, mas fiquei chateada por estarmos tão perto e não termos nos encontrados.
bjss

disse...

Ai que delícia! Adorei as fotos e os relatos! Te espero numa próxima...Bjão e muito obrigada pelos elogios viu? São os olhos doces de quem vê certamente!

Juliana disse...

Flavinha,
adorei seu roteiro!! Amo São Paulo! Vamos lá sempre que temos uma oportunidade, ainda mais agora que minha cunhada com nosso afilhadinho estão morando lá, além de vários primos. Para unir cultura e culinária, certamente não há lugar melhor no Brasil.
Todas as vezes que vou, a não ser que seja algo muito corrido, Tenho que passar na Paulista e na Livraria Cultura! E quase sempre tem alguma exposição bem legal no hall do Conjunto Nacional e no Centro Cultural da Caixa. As últimas que me marcaram foiram uma exposição fotográfica de Budapest e, na Caixa, uma de maquetes de ambientes cenográficos de teatro, projetados por José Dias.
Mas faça isso mesmo que se prontificou - passeie por sua cidade com olhos de turista. É uma delícia!! Faço isso com bastante frequência. Como trabalho num edifício que é patrimônio histórico, todo dia chego e o contemplo, como se fosse a primeira vez que olhasse aquela obra prima! :-)
Beijos grandes,
Ju.

Téia disse...

Amei Flavinha, que roteiro massa!!! Eu conheço quase tudo porque marido é paulista, mas, de várias vezes, vocês são muito animado, devem ter voltado mortos de cansados. Ah, mas valeu a pena, Sampa é tooooddooooo de bom. Bj grande.

Mel L. Ramos Bryar disse...

São Paulo..minha terra querida! morei lá e não gostei...mas, o que mais sinto falta é da gastronomia e das mil opções de programas culturais!!! Vou sempre que posso!
Ah o Mercadão...é um dos lugares que mais sinto falta!!!Ótimo post!beijos

Lud disse...

Eu não conheço São Paulo (acho que sou a única no mundo! hahahaha) Mas sou doida para fazer um tour por lá como esse seu! Conhecer principalmente a Pinacoteca e o Museu da Lúngua Portuguesa! Deve ser o máximo! Da próxima a gente tem que combinar de ir juntas, tá? Beijinhos!